Mogi 0 x 0 Portuguesa: O ataque chutou o balde

Como todo começo de trabalho, o Mogi Mirim de Leston Júnior ainda não pode ser taxado. No empate em 0 a 0 com a Portuguesa na manhã deste domingo (29) o Sapo mostrou mais uma vez o esboço do que será o time nesta Série C. Há virtudes e defeitos que ficam a cada minuto rodado mais evidente, porém, é melhor ainda ir com calma.

Como parecia em tese, não foi montado um time ruim. Leston já começou a criar uma identidade, já que o time se esforça para jogar agrupado, oferecendo opções de tabela. Há, por outro lado, muitos erros de passe. Culpa de um meio-campo com bons marcadores, mas passadores medianos. Individualmente Gladstone surge como principal destaque, com segurança e simplicidade. Uma espécie de ‘Maicon da Mogiana’.

Já na lateral direita Edvan aparece como vítima preferida da torcida. Com razão. O lateral desce pouco e mal. Errou passes, apanhou da bola e comprometeu em lances que, por sorte do Sapo, não terminaram em gol. Lamentável a perda de Valdir, lateral que já passou pelo Vail Chaves e gera inúmeras possibilidades ofensivas. Está na Série D, pelo São Bento… Outra baixa que reduz o poder de fogo do Sapo nestes primeiros passos é Danilo Sacramento.

Afastado por lesão no tendão de aquiles, o meia tem potencial para cadenciar um time que acelera em momentos inúteis e que, por consequência perde a bola em demasia. Nem Torres, titular, nem Wilker, que entrou na etapa final, mostraram condições de serem condutores do meio-campo do Mogi. Em resumo, o Mogi de Leston demonstra muito equilíbrio defensivo e uma incrível impotência ofensiva. Repito, ainda é cedo. Mas este já é um caminho para o treinador mexer e remexer antes de ser tarde demais para passar de fase…

O JOGO

A partida começou com o tradicional estudo das equipes e, aos poucos, teve um leve domínio do Mogi. Aos 7 minutos, Alan Mota cruzou, Diego Clementino dominou mal e o goleiro Douglas se antecipou. Aos 14 minutos Ramos recebeu passe de Alan Mota e sentiu uma torção no joelho direito e colocou Edmar no lugar. A Portuguesa apareceu bem pela primeira vez na bola parada. Gustavo Tocantins, que cobrou escanteio aos 17 minutos e Bruno Oliveira subiu livre para fora. Aos 22, Edmar tocou de peito para Roni, que fintou dois marcadores e livre preferiu o cruzamento do que o chute. Diego Clementino dominou, driblou Mateus e chutou para boa defesa de Douglas. No rebote, Roni chutou, mas estava impedido.

Aos 32, após jogada pela direita, Bruno Nunes recebeu e chutou mascado. Gustavo espalmou para escanteio. Dois minutos depois a Lusa voltou a assustar. Lançamento para Gustavo Tocantins, que driblou Gustavo e chutou. Gladstone, encima da linha, salvou o Sapo!  A resposta mais uma vez foi para o 9. Diego Torres demorou, mas, acertou um bolão em profundidade para Roni. O centroavante mais uma vez ficou livre, optou pelo passe e a bola pessimamente passada para Edmar saiu em tiro de meta.

Dois minutos depois, a dividida de Alan Mota caiu com Edmar, também livre e o camisa sósia do Biro Biro cortou para trás, para o chute torto de Neto Paulista. O primeiro tempo realmente estava marcado para terminar sem gols. Primeiro Edvan errou duas vezes na zaga e quase entregou para a Lusa. Depois, Edmar enfiou um bolão para Roni, que desta vez chutou. O arremate explodiu no travessão e o rebote, meio sem querer, terminou em conclusão de Diego Clementino nas mãos de Douglas.

SEGUNDO TEMPO

Aos 7 minutos, Alan Mota pegou rebote de um escanteio e o chutaço parou em bela defesa de Douglas. Aos 14 saiu Diego Torres para entrada de Kaio Wiler. Guilherme Schettini também entrou na Lusa na vaga de Bruno Xavier. Aos 17 minutos, após cruzamento da direita, Cesinha falhou e Edmar, livre, chutou encima de Douglas. Schettine enfiou um bolão para Caio Cézar, que chutou desviado na zaga, bateu no travessão e o Sapo se salvou com o escanteio. Aos 36 o Sapo escapou do gol e a arbitragem de questionamentos.

Bruno Mineiro subiu de cabeça e a bola desviou em sua mão. O rebote caiu para Schettine, que chutou forte e parou em mais uma ótima defesa de Gustavo. No minuto seguinte, após escanteio, Henrique Motta, livre, cabeceou para fora. Este também foi o destino da bola de Roni, aos 45, quando o atacante recebeu de Keké e desperdiçou nova chance de gol. Aliás, tinha mais. Aos 49, no último lance, Roni mais uma vez recebeu, girou e bateu para fora!

MOGI MIRIM 0 X 0 PORTUGUESA – 2ª RODADA DA SÉRIE C

MOGI MIRIM: Gustavo; Edvan, Gladstone, Henrique Motta e Bruno Ré; Alan Mota, Neto Paulista, Ramos (Edmar aos 14 minutos do primeiro tempo) e Diego Torres (Kaio Wilker aos 14 minutos do segundo tempo); Roni e Diego Clementino (Keké aos 24 minutos do segundo tempo). Técnico: Leston Júnior.

PORTUGUESA: Douglas; Cesinha, Guilherme Almeida, Mateus e Bruno Oliveira (Ferdinando aos 40 minutos do segundo tempo); Caíque, Vinicius, Gustavo Tocantins e Caio Cézar; Bruno Xavier (Guilherme Schettini aos 14 minutos do segundo tempo) e Bruno Nunes (Bruno Mineiro aos 24 minutos do 2º tempo). Técnico: Anderson Beraldo.

Árbitro: Vinicius Furlan. Cartão amarelo: Alan Mota e Kaio Wilker (Mogi Mirim). Público: 373 pagantes. Renda: R$ 12.630.