Fisio&Saúde: Muito além do fitness…

Caroline Zacariotto Silva*

Nós já sabemos que a prática regular de exercícios físicos traz inúmeros benefícios, que ultrapassam os limites do modismo de “ser fitness” e manifestam-se positivamente de diversas formas no organismo. E já que o mês de Outubro é voltado para a prevenção e manutenção da saúde das mulheres, vamos discutir um pouco dos efeitos que as atividades físicas provocam no corpo feminino.

Além de saudável, praticar algum tipo de atividade física promove bem-estar e melhora a qualidade de vida. Para as mulheres, essa abordagem ganha algumas especificidades, que incluem desde as diferenças do perfil hormonal e dos percentuais de gordura e massa muscular, até as respostas e adaptações ao exercício. Considerando que na vida da mulher moderna essa prática é essencial, uma vez que a demanda das atividades de vida diária torna indispensável que se alcance e mantenha um nível satisfatório de potência aeróbica, força e flexibilidade.

Embora a doença arterial coronariana seja considerada prevalente no sexo masculino, a cada ano observamos uma redução nessa diferença quando comparamos ambos os sexos. Quando jovens, o risco de ataque cardíaco é menor entre as mulheres, porém, com a menopausa, “perdemos” a proteção hormonal do nosso organismo, tornando o risco semelhante para ambos os sexos.

Para mulheres acima dos cinquenta anos, temos que considerar também os riscos de desenvolver o câncer de mama e a osteoporose. Para aquelas que escolhem um estilo de vida mais saudável, incluindo a prática de exercícios em sua rotina, há redução do risco de desenvolver doenças cardiovasculares, metabólicas e até mesmo alguns tipos de câncer, como o de mama e do cólon. Além disso, melhora a saúde óssea e reprodutiva, o humor e a auto-estima.

Além isso, a produção de endorfinas, liberadas pela pratica de atividade física, proporciona sensação de bem-estar, além de regularizar o ciclo hormonal na mulher. Com isso, as mulheres tendem a ter ciclos menstruais mais regulares, menos cólicas menstruais, menos efeitos relacionados à tensão pré-menstrual, como dores nas mamas antes da menstruação e alterações de humor, e maior facilidade de engravidar, além do aumento da libido.

Outra preocupação bastante comum nos programas de exercícios femininos é a estética, afinal, qual mulher não quer ter a felicidade de exibir um corpo que lhe agrade de todas as formas? Contudo, cabe destacar que os objetivos estéticos podem (e devem) caminhar juntos com aqueles relacionados à promoção de saúde. Por exemplo, preocupar-se com o peso corporal é extremamente importante quando consideramos os fatores estéticos, como também para manutenção da saúde. Da mesma forma, o aumento da musculatura (hipertrofia) tem impacto positivo sobre a apresentação corporal e pode promover maior gasto energético, controle glicêmico e lipídico, disposição, entre outros.

Considerando a rotina moderna, sabemos que mulheres que estão expostas a níveis elevados de estresse têm maior chance de desenvolver endometriose, já que o estresse leva a uma redução da imunidade do organismo. Assim, a atividade física pode contribuir até mesmo para prevenção da endometriose, por controlar os níveis de estresse.

Lembrando que, na hora do exercício, é preciso estar sempre atenta para realizar as atividades da forma mais segura e confortável possível. Conhecer o seu estado atual de saúde, os seus potenciais e capacidades orgânicos poderá esclarecer o que deve ser feito, como deve ser feito e o que deve ser evitado. Nesse sentido, também é importante lembrar que se deve escolher uma atividade com a qual você se identifique e que esteja adequada ao seu nível atual de aptidão. Isso favorecerá a regularidade e aderência.

Por fim, o aumento da atividade física deve ser gradual, com o uso de equipamentos e vestimentas apropriados, os profissionais que fazem a orientação devem ser capacitados e estar preparados para lidar com suas individualidades. Agora, se você já iniciou algum programa de exercícios físicos, mantenha-se firme para atender seus propósitos. Se ainda não começou, estabeleça metas, organize-se, planeje e… Vamos lá… Sua saúde agradece!

  • Caroline Zacariotto Silva é formada em fi sioterapia na Ufscar (Universidade Federal de São Carlos) e possui cursos de pós-graduação lato senso e especialização na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas)

Next Post

A importância do esporte na infância e adolescência

qua nov 2 , 2016
  Elaine Cristina Navarro* A obesidade é um dos maiores problemas de saúde pública em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial de Saúde, existe uma projeção que em 2025 exista cerca de 2,3 milhões de pessoas com sobrepeso e mais de 700 milhões de obesos, onde o número das […]