A crise financeira que atinge o Mogi Mirim parece não ter precedente. A cada semana, novidades negativas cercam o noticiário do clube, que tem que conviver nos últimos dias com uma situação embaraçosa. Boa parte do estádio Vail Chaves está sem energia elétrica. Com contas em atraso junto à Elektro, concessionária responsável pela distribuição de força e luz em Mogi, o clube sofre com as consequências do corte.
Desde a semana passada, diversas áreas foram afetadas. Na parte baixa do estádio, setores como lavanderia e vestiários foram estão com problemas. Os profissionais ficaram impedidos de utilizar computador e os aparelhos de fisioterapia, além dos chuveiros. Com a lavanderia ‘travada’, alguns jogadores ficaram sem uniforme para treinar.
Através da assessoria de imprensa, a diretoria não quis se manifestar sobre o assunto. Entre as áreas não afetadas pelo corte está o alojamento e o setor próximo ao portão principal.
Leia a matéria completa na edição desta sexta-feira, 9, do GRANDE JOGADA.