AMIZADE E O SONHO DA TAÇA

O Córrego do Coxo sofria com uma sina. O chamado ‘efeito iô-iô’ parecia incrustado no clube desde 2011. No ano em que a tradicional agremiação do bairro rural de mesmo nome faturou a Segunda Divisão da Copa Itapira pela primeira vez, a empolgação era por vôos maiores na elite.

Porém, a saga começou no ano seguinte, com o rebaixamento à Segundona. Em 2013, o time grená voltou a vencer a 2ª Divisão, mas, em 2014, repetiu as falhas e caiu mais uma vez. A força na divisão de acesso à Primeirona foi mostrada em 2015, quando a equipe conquistou o terceiro título e mais uma vez subiu um degrau.

A meta, em 2016, era evitar um novo descenso, mas, com apenas uma derrota, o Córgo, como é carinhosamente chamado, chegou até a semifinal. A queda diante do Valencia serviu para mostrar que era possível brigar em igualdade de condições na elite e o objetivo agora é um só.

“Após conseguirmos enfim a permanência na Primeira Divisão e alcançar a semi na Copa Itapira e as quartas na Copa Integração, o objetivo é chegar à decisão e buscar o título”, afirmou Diego Bosso, meia-armador e um dos responsáveis pela equipe.

Leia a matéria completa na edição desta sexta-feira, 27, do GRANDE JOGADA.

Next Post

PARABÉNS, MOGI MIRIM EC!!!

qui jan 26 , 2017
O nome que há 247 anos é ostentado por estas terras, já se estendeu até as bandas de Ribeirão Preto. Mogi Mirim é conhecida no Brasil antes mesmo daquele 22 de outubro de 1769, quando a emancipação deu início a uma história de progresso, sobretudo no setor agrícola. Por isso, […]