Leia os rótulos

Elaine Cristina Navarro*

Todos os alimentos e suplementos possuem tabelas nutricionais, também conhecidos como rótulos. Estas informações são relativas às quantidades de vitaminas, gorduras, proteínas por porção, valores diários de referência, entre outros. Esta tabela também é utilizada para fornecer informações nutricionais que auxiliam as pessoas que buscam um estilo de vida saudável e principalmente pessoas com restrições alimentares e alergias.
Os rótulos podem fazer toda diferença na hora de escolher um alimento ou suplemento alimentar, eles podem até facilitar a compra de um produto pelo seu custo-benefício. No entanto nem todas as pessoas têm o hábito de consultar as embalagens ou até mesmo não entendem as informações que estão ali contidas, desta forma nem sempre fazem as escolhas corretas para seu objetivo.
No Brasil, o órgão regulador dos rótulos é a ANVISA – Agência Nacional de Vigilância Sanitária – e ela determina que eles devem conter obrigatoriamente informações sobre sua denominação, identificação de origem e característica, lista de ingredientes, exceto se for alimento que contenha único ingrediente, peso líquido, origem, lote, prazo de validade e ainda as instruções de preparo e principalmente as informações nutricionais.
A ANVISA criou um manual com todas as informações alimentares importantes que podem auxiliar as pessoas a manter uma dieta equilibrada e saudável e ainda saber escolher o alimento correto para seu objetivo, para ler, basta acessar: http://www.anvisa.gov.br/alimentos/rotulos/manual_rotulagem.PDF. Este manual possui linguagem clara para os consumidores e realmente pode auxiliar as pessoas na escolha adequada de alimentos consultando os rótulos.
Basicamente é preciso entender a lista de ingredientes, você sabia que esta lista está sempre em ordem decrescente? Isso significa que o primeiro ingrediente é o que tem em maior quantidade e o último em menor. Exemplificando: um pão integral deve conter na sua lista como primeiro ingrediente a farinha de trigo integral, se for farinha de trigo enriquecida com ferro e ácido fólico e depois a farinha de trigo integral, este pão não deve ser considerado integral. Saber disso pode ser determinante para a compra do produto correto, já que embalagens bonitas e preços atrativos chamam a atenção do consumidor.
É preciso também avaliar a quantidade descrita no rótulo, nem sempre as informações se referem à embalagem toda do produto, mas sim de uma parte dele, então é preciso se atentar para não ingerir mais açucares ou gorduras do que o necessário.
Muita gente ainda se limita a contar calorias, e isso pode ser um problema, pois não são somente as calorias que importam quando queremos ter uma alimentação balanceada e saudável, um exemplo disso é consumir um produto “zero” caloria, no entanto, o produto é cheio de sódio e sem fibras alguma na sua composição. Isso de fato pode ser considerado um alimento saudável? Produtos de baixas calorias nem sempre fazem bem à saúde.
Por fim, fique de olho nos valores diários, o VD do rótulo, que é o percentual diário que devemos consumir de determinado nutriente. Ele apresenta uma relação a uma dieta de 2.000 kcal (calorias). Assim, consumir um alimento onde o VD é de 50% significa que está consumindo 50% daquele nutriente necessário para aquele dia, mas fique atento a porção que está consumindo, principalmente se, se tratar de alimentos com muitas gorduras ou açucares.
Entender os rótulos e saber utilizá-los faz parte da busca de um estilo de vida saudável, para fazer boas escolhas e para que você tenha conhecimento do que realmente está consumindo. Comece agora e veja os benefícios para seu corpo.

*Elaine Cristina Navarro é estudante de pedagogia e tem uma página de motivação ao emagrecimento saudável

Next Post

O exercício físico e a doença de Alzheimer

ter mar 21 , 2017
Caroline Zacariotto Silva* Associado ao aumento do número de idosos no mundo, observamos também o aumento das doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer. Considerada o principal tipo de demência, apresenta relação direta com a idade, podendo ocorrer em 5% dos idosos acima dos 65 anos e em até 40 […]