Sete anos de bariátrica – o que mudou?

Este ano completa sete anos que fiz cirurgia bariátrica e isso me fez lembrar certo dia em que estava no consultório do meu médico aguardando para fazer o pós-operatório e outra paciente, super magra e saudável, puxou conversa comigo. Ela me dizia que havia sido operada há cinco anos e que conseguia manter seu peso, pois levava a sério sua dieta.

Na ocasião, eu que havia acabado de operar, fiquei imaginando se também conseguiria aquele feito. Pois sim, muitas pessoas operadas voltam a engordar depois da cirurgia, por descuido, por falta de preparação, entre outros. Passaram-se sete anos, assim como a paciente que conversou comigo aquele dia também consegui manter meu emagrecimento, mas com uma ressalva, ganhei seis quilos de massa magra. Ou seja, sai de 114 para 64 em dois anos de cirurgia e atualmente fico entre 69 a 70 quilos, mas com um corpo muito melhor do que de cinco anos atrás.

O medo no início da cirurgia era se meu estômago “dilataria”, se com o passar dos anos eu voltaria comer como antes. No entanto, percebi que o que me engordava não era só comer muito, mas o que realmente me engordava era comer errado. Minhas marmitas hoje pesam em torno de 400 gramas, um exagero para uma pessoa com um estômago que no início da cirurgia comportava apenas 50 ml. A diferença é que hoje como lentamente e aproveito todos os alimentos que estão no meu prato. Continuo seguindo uma dieta prescrita por um nutricionista, agora esportivo, por que minha meta é manter minha massa magra e diminuir gordura corporal.

Minhas refeições estão totalmente adequadas para as minhas necessidades diárias. Proteínas, carboidratos, fibras, tudo calculado para mim. Até hoje tomo polivitamínicos, pois minha cirurgia causa desabsorção de alguns nutrientes, sendo muito necessária a suplementação de vitaminas e sais minerais. Faço exames regularmente e quando necessário, meu médico complementa com outras vitaminas. Já não preciso das visitas regulares a uma psicóloga, mas confesso que até sinto falta. Pois aprendi muita coisa ali, aprendi me valorizar, aprendi que posso ir muito além e que hoje se cheguei até aqui foi por que ela me mostrou que eu poderia tudo isso.

Há pelo menos cinco anos não tomo antidepressivos e não faço mais terapia e se fosse para voltar fazer, seria para contar sobre minha felicidade de ter chegado até aqui bem. Por fim, sempre penso se passaria por tudo isso novamente, e sim, a resposta é certamente sim! Teria feito novamente e da mesma forma, pois me preparei muito antes da cirurgia, sempre tive a certeza de que tudo daria certo e essa foi o que fez diferença na minha vida. Fiz isso pela minha vida, pelos meus familiares, para me sentir bem, e faria tudo de novo se fosse preciso, mas aconselho sempre quando alguém me pergunta sobre a cirurgia que precisa ter preparação, seja psicológica, nutricional ou médica. Tudo deve ser feito da melhor forma possível, para que com o passar dos anos se mantenha o objetivo inicial, que é o de permanecer magro e saudável.

Next Post

Vôlei: Competição e solidariedade na areia

qua abr 26 , 2017
No sábado (15), na quadra de vôlei de areia “Marco Antonio Turato”, no bairro dos Prados, aconteceu o Torneio Solidário de Vôlei de Praia Misto 4 x 4. A competição reuniu seis quartetos e movimentou o espaço no Sábado de Aleluia. O montante arrecadado nas inscrições foi revertido para a […]