Exclusiva: Um pouco de Mogi na festa gremista

O Grêmio pintou a América de azul, preto e branco. Mas, havia no podio montado pela Conmebol uma pitadinha de vermelho. Não, não era do Internacional, grande arquirrival gremista. Em 2012, durante seis meses, o goleiro Bruno Grassi foi jogador do Mogi Mirim Esporte Clube. Uma passagem que não ganhou destaque, mas, que foi importante para o atleta.

Terceira opção de Renato Gaúcho para o gol, o arqueiro concedeu entrevista exclusiva ao GRANDE JOGADA e relembrou a passagem pelo Sapão. Em 2012, ele estava no Araripina-PE e foi contratado para suprir a vaga deixada por Anderson (atualmente no Bahia). Brigou por posição com Alex Alves (titular) e Daniel e integrou o time que conquistou o acesso para a Série C do Campeonato Brasileiro.

Após a saída de Guto Ferreira para a Ponte Preta, o arqueiro não renovou e seguiu para o Passo Fundo-RS. Porém, foi no Cruzeiro de Porto Alegre que ele se destacou, em 2015 e chamou a atenção dos dirigentes do Grêmio. A história está no papo a seguir. O primeiro campeão da Conmebol Libertadores da América, com passagem pelo Mogi Mirim, desde Chicão, campeão em 2012, pelo Corinthians.

Assim como o goleiro, Chicão também possui um acesso com o Mogi no currículo, já que em 2001 foi comandado por Adilson Baptista na grande campanha que levou o Sapo à Série B. O zagueiro nascido em Estiva Gerbi também ficou com o título mundial em 2012 e uma das metas traçadas por Grassi é faturar a taça, ainda este mês, nos Emirados Árabes Unidos. A competição começa nesta quarta-feira (6), com Al Jazira-EAU x Auckland-NZE. Já o Grêmio estrei a no dia 12 de dezembro (veja a tabela nesta página). E, quem sabe, para Grassi, termine até com um duelo particular com as estrelas do Real Madrid…

Confira a entrevista exclusiva na edição desta quarta-feira, 6, do GRANDE JOGADA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *