El Paredón: Mina se destaca na zaga itapirense

Erik Sayc Vasquez Mina é colombiano, ‘xará’ de craque do Barcelona e primo de um titular do Tottenham. Aos 20 anos, o defensor é um dos destaques da Esportiva Itapirense na ‘Quarta Divisão’ do Campeonato Paulista e não apenas pelos temas que abrem esta matéria. O jogador tem sido elogiado por torcedores e profissionais de mídia que postura em campo. Tanto no esquema 4-3-3 quanto no 3-4-3, em que atua na sobra, o jogador tem transmitido segurança à defesa itapirense.

Não é a toa que a Vermelhinha tem uma das melhores defesas do campeonato, com apenas três gols sofridos em cinco jogos, sendo apenas um no Chico Vieira e com três cleen sheets (jogos sem ser vazado). Nascido em novembro de 1996 em Caloto, uma pequena cidade do departamento de Cauca, ao norte da Colômbia, Erik Mina não tem parentesco com Yerry, que ficou famoso pela passagem no Palmeiras e que hoje defende o Barcelona, mas possui vínculo com o compatriota.

“A gente mora na mesma cidade, em Guachené Cauca e já trocamos algumas ideias. Conheço os pais dele, tios, a família. Mas, não tenho parentesco”, conta o jogador, que não tem muitas dificuldades para se comunicar. Mina chegou ao Brasil em 2015, para defender o Água Santa, de Diadema. No Netuno, ganhou intimidade com a língua portuguesa e passou a ser uma espécie de porta-voz e professor dos outros nove colombianos que compõem o elenco da Esportiva na Bezinha.

Alguns empresários viram ele jogar na Colômbia e o trouxeram para um teste no sub20 do Água Santa. Passou, jogou a Copa São Paulo e depois a Copa Paulista, já no profissional. Neste ano, graças à parceria da Vermelhinha com a Head Soccer, que é comandada pelo empresário colombiano, Juan Isaza, Erik Mina se mudou para Itapira. Com o apoio de Careca Paiva, diretor de futebol e conhecedor do futebol sulamericano, o jogador se tornou um dos 10 colombianos do elenco. Além dele, fazem parte do grupo o goleiro Daniel Rodriguez, o lateral-direito Luíz Dário, os zagueiros Arles Balanta e Juan Carabali, o volante Danilo Morales, o meia Kevin Cabezas e os atacantes Carlos Mosqueira, Duvan Caicedo e Neider Batalla.

Já no início da pré-temporada, chamou a atenção do técnico China pelo vigor, força física e capacidade técnica, características que foram comprovadas nas primeiras rodadas do estadual. Após vencer o Independente por W.O, a Esportiva estreou de fato contra o Jaguariúna, venceu por 1 a 0 e o gol foi marcado justamente por Erik Mina, que sonha em colocar o time de volta na Série A3.

“Começamos com o pé direito e quando começa assim, lá no final, é bem mais fácil”, frisou. O colombiano que não escondeu que sonha em defender um grande clube brasileiro e seguir os passos de Mina e de um parente famoso. Davinson Sanchez, zagueiro titular do Tottenham, da Inglaterra, é primo do zagueiro da Esportiva. Ou muito mais do que isso.

“A gente foi criado como gêmeos. Um usando a roupa do outro, assim. E ele está sempre atento, acompanha todos os jogos da Esportiva. Às vezes ele fala que o horário vai cruzar com o jogo dele na Inglaterra, mas, quando fica assim, ligo para ele e conto como foi o jogo e sempre mantém um contato e é muito importante. Um está sempre ajudando o outro”. Sanchez foi campeão da Libertadores de 2016 pelo Atlético Nacional e depois se transferiu para o Ajax, da Holanda. Hoje no Tottenham, é espelho para a atual geração de defensores colombianos. Uma nação que, justamente desde 2016 e graças ao Atlético Nacional, estreitou os laços com os brasileiros.

O acidente que matou 71 pessoas no voo que levava a Chapecoense para Medellín se tornou um marco na relação entre os dois países. “Quando aconteceu eu estava no Água Santa. Acordei aquele dia e o mundo inteiro ficou parado. Nós da Colômbia, sempre teve esta união com os brasileiros. Antes desta tragédia, talvez, o brasileiros não sabiam que, para nós colombianos, o Brasil é um segundo país, de coração. Ultimamente, quando Colômbia não ia ao Mundial, apoiávamos muito o Brasil. Infelizmente, o acidente apresentou isso e a Colômbia se uniu com o Brasil para dar força às famílias e ao Brasil inteiro e mostrar que fizemos tudo isso de coração para a Chapecoense”, destaca o zagueiro.

Um entre tantos colombianos que sonham em vencer no Brasil. Um dos 10 colombianos que reforçaram a Esportiva no sonho de voltar à Série A3. O paredão que tem ajudado a equipe a manter este desejo firme e forte.

VERMELHINHA

A Esportiva segue na liderança do Grupo 3 da ‘Quarta Divisão’. Com 13 pontos, a Vermelhinha tem dois de vantagem sobre o vice-líder Comercial e cinco em relação ao terceiro colocado, o XV de Jaú. O Galo da Comarca será exatamente o rival deste domingo (13), às 10h00, no estádio Zezinho Magalhães, em Jaú. Para este jogo, o técnico China aguarda a liberação do departamento técnico e administrativo para promover novidades no time.

O atacante Neider Batalla e o lateral Cafu estão afastados por lesão. Já o atacante Danilo, que voltou do Avaí, aguarda a regularização para ficar à disposição de China. O treinador garante que manterá o esquema com três zagueiros, que tem Erik Mina, Juan Carabali e Thawan à frente do goleiro Kaique.

No meio campo, a tendência é de que Léo Braz e Everton Bahia dêem lugar a Estevão e Mateus Cocão. Caso Batalla seja liberado pelo DM, ele ocupará a vaga de André Santos e formará dupla de ataque com Duvan Caicedo. Batalla é o artilheiro da Bezinha, com quatro gols em três jogos. O elenco não conta com problemas de suspensão e apenas lateral Cafu e o volante Everton Bahia, com dois cartões cada, estão pendurados. O técnico China deve escalar a Vermelhinha com Kaique; Juan Carabali, Erik Mina e Thawan; Murilo (Cafu), Estevão, Mateus Cocão e Du; Everton Ceará, Duvan Caicedo e André Santos (Neider Batalla).

No último jogo, a Esportiva empatou em 0 a 0 com o Comercial, no estádio Chico Vieira, e perdeu os 100% de aproveitamento. O jogo foi muito equilibrado na etapa inicial, mas, na etapa final, o goleiro Kaique salvou a Vermelhinha com duas grandes defesas. Ainda na quinta rodada, pelo Grupo 3, o Independente venceu a Francana por 1 a 0, em Franca, Jaguariúna e XV de Jaú empataram em 1 a 1, em Jaguariúna e o Grêmio São-Carlense fez 2 a 0 sobre o Brasilis, em São Carlos.