Presidente fala em licenciar o Mogi Mirim

O presidente Luiz Henrique de Oliveira não encara a imprensa local há muito tempo. Mas, para os veículos de comunicação da capital, que não acompanham o dia a dia do clube, o dirigente não deixa de aparecer. Na última semana, o jornal O Estado de São Paulo, publicou reportagem sobre a situação do Mogi Mirim. Na entrevista, o presidente voltou a falar sobre a intenção de vender o estádio Vail Chaves e de quebra, soltou uma novidade.

Luiz Henrique pensa em licenciar o Mogi Mirim por dois anos. Ou seja, deixar a cidade sem um clube profissional após quase 50 anos de atividade ininterrupta. “A gente ainda está estudando alternativas. Não há muita perspectiva. É muito difícil conseguir apoio. O licenciamento das competições por dois anos pode ser uma solução para depois o clube voltar à ativa”, afirmou ao Estadão.

Luiz Henrique assumiu o clube em julho de 2015, quando Rivaldo Ferreira renunciou ao cargo e repassou o controle da gestão ao empresário, que contava, na época, com o apoio do então sócio, Victor Manuel Simões. No mesmo ano, Oliveira foi reeleito e em novembro do ano passado, conseguiu chegar ao terceiro mandato, que terminará em dezembro de 2019. Há processos na Justiça local para cassar o dirigente, mas, por enquanto, é ele quem tem a caneta para manter ou licenciar o Mogi Mirim.

Sem conseguir captar recursos para pagar funcionários e atletas, o dirigente colocou o clube, pela primeira vez, no mapa das agremiações marcadas por dívidas trabalhistas. Agora, usa exatamente este argumento para falar em licenciamento e até mesmo na venda do estádio.

“O clube tem varias dívidas, muitas ações trabalhistas. A gente vai ter que analisar um caminho para pagar isso e também os fornecedores. A gente quer evitar se desfazer do estádio porque é um patrimônio, mas nada está descartado. Vão-se os anéis e ficam os dedos”, afirmou ao Estadão. Na Justiça, sócios do clube também tentar impedir qualquer chance de venda do Vail Chaves, e assim como a ação sobre a reeleição de Oliveira, deve ter novidades em breve. Enquanto isso, o clube segue em um mar de incertezas e com o futuro cada vez mais comprometido pela atual diretoria.

Next Post

Emoções à flor da pele no Maria Lenk

qua maio 23 , 2018
Entre os dias 17 e 21 de abril, três atletas da Free Play/Sejel viveram intensamente a plenitude da paixão pelo esporte. Comandados por Ricardo Antônio Martiniano, Conrado Coradi Lino, Tomas Coradi Lino e Bárbara Cecato Barbosa ainda são jovens, mas têm convicção do que gostam. Nadar. E competir em meio […]