Jaguariúna: Raio-X do próximo rival da Esportiva

A Esportiva Itapirense volta a campo na Segunda Divisão do Campeonato Paulista neste domingo (3), a partir das 10h00. O duelo será no estádio Alfredo Chiavegato, em Jaguariúna, diante dos donos da casa. O Jaguar Negro é o sexto colocado no Grupo 3, com seis pontos conquistados em oito rodadas. O time comandado pelo experiente técnico João Martins venceu a primeira partida no torneio apenas na rodada passada, quando fez 1 a 0 sobre o Grêmio São-Carlense, no estádio Luisão, em São Carlos.

Nas demais partidas, três empates e quatro derrotas. Jogando em casa, o Jaguar empatou com Grêmio (0 a 0), Brasilis (1 a 1) e XV de Jaú (1 a 1) e perdeu para o Independente (2 a 0). Ou seja, a equipe ainda não sabe o que ganhar como mandante na Bezinha. Nas partidas fora de casa, além da vitória sobre o São-Carlense, perdeu a para a Esportiva, por 1 a 0, na segunda rodada. A equipe também caiu diante do Comercial (2 a 0), em Ribeirão Preto e da Francana (2 a 0), em Franca. O Jaguar tem três gols marcados e nove sofridos na competição. Dival, Neto e Arcanjo marcaram os gols da equipe no torneio.

Nas partidas como mandante, o Jaguariúna tem cobrado desde o início do torneio, R$ 5 (meia) e R$ 10 (inteira) tanto para visitantes quanto para a torcida local. A média de público, porém, é baixa. No total, 289 ingressos foram vendidos nas quatro rodadas, uma média de 72,25 pagantes por jogo. O recorde ocorreu na estreia, quando 101 torcedores assisitiram a partida com o São-Carlense. Na sequência, foram 48 pagantes diante do Brasilis, 79 contra o XV de Jaú e 61 no duelo com o Independente.

Para a partida com a Vermelhinha, o técnico João Martins não contará com o zagueiro/volante Vitão. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo diante do São-Carlense. O volante Carlão, o meia Breno Cauai, o meia e capitão Sabino e o atacante Alisson estão pendurados com dois amarelos e, caso sejam advertidos diante da Esportiva, desfalcarão o Jaguar na 10ª rodada, contra Brasilis, em Águas de Lindóia. O Jaguar deve ir a campo com: Dida; Diego Dall’orca, Neto, Matheus e Jesiel; Carlão, Breno (Ricardinho) e Dival; Sabino, Bruno e Paulo.

HISTÓRIA

O Jaguariúna foi fundado em agosto de 2005 como Associação Jaguariunense de Atletas (AJA). A fundação ocorreu por meio de integrantes do Grêmio da empresa Motorola, liderada por Carlos Alberto Pagoti e a ex-atleta de futebol feminino, Rosana da Silva. A equipe disputava apenas o futebol feminino junto à Federação Paulista, tendo sido vice-campeã estadual em 2007. Em 22 de dezembro de 2008, a entidade foi reorganizada com novos associados. Em 1º de Abril de 2009, William de Souza Silva, o William Zidane, foi eleito Presidente da Diretoria Executiva, Mauro de Jesus Presidente do Conselho Deliberativo, Rodrigo Roda tesoureiro e o Zebra presidente do conselho fiscal.

Em 4 de Maio de 2009, a entidade foi reestruturada, sendo alterado todo seu estatuto, bem como a alteração do nome da entidade para Associação Desportiva Jaguariúna – A.D. Jaguariúna, nome fantasia Jaguariúna Futebol Clube. Atualmente a sua sede (Toca da Onça) está localizada na Avenida Antônio Pinto Catão, nº 103, no bairro João Aldo Nassif, em Jaguariúna. Os jogos são mandados no estádio municipal Alfredo Chiavegato, que tem capacidade para 15 mil torcedores e foi inaugurado em 1996. O local já foi sede da Copa São Paulo de Futebol Júnior e de competições oficiais de atletismo.

Next Post

Ausência da base em torneio leva Mogi ao TJD

qua maio 30 , 2018
O Mogi Mirim Esporte Clube se tornou sinônimo de bagunça administrativa. A gestão de Luiz Henrique de Oliveira é uma das piores de um dirigente na história do futebol brasileiro, afundando o Sapão, em menos de três anos, da Série B do Brasileiro e Série A1 do Paulista, para a […]