Quando até o Cartola dá a dimensão real do Mogi Mirim

Bom final de semana, galera da internet! Ainda sem a frequência que eu gostaria, estou reativando o meu blog aqui dentro do site do GRANDE JOGADA. Um espaço para expor minha opinião sobre os mais diversos assuntos. Com prioridade para o esporte regional e, claro, uma brecha para falar do que rola no Brasil e no Mundo. Hoje, o assunto é o Mogi Mirim Esporte Clube. Uma agremiação abandonada por um grupo de pessoas que não tem noção da sua dimensão. Um pouco porque nós também contribuímos com este abandono. Mas, hoje não quero entrar no mérito da destruição pelo qual o querido Sapão da Mogiana passou. Quero falar sobre o tamanho real deste clube.

E foi um mínimo detalhe perto da história centenária do Mogi que me ajudou a lamentar mais uma vez: o que fizeram com o nosso Sapo? Ao acordar, fui alertado pelo aplicativo do Cartola que era preciso atualizar minha escalação para a rodada de hoje. Confesso que não sou um grande adepto do jogo. Não participo de ligas e nem discuto sobre o tema. Mas, como apaixonado por futebol, claro que não resisti e resolvi brincar. Sem compromisso com a pontuação, tenho montado meus times. Hoje foi a vez de sair do lugar comum e escalar o ‘Proibideiros’ apenas com ex-jogadores do Mogi Mirim Esporte Clube. Você acha que seria um sofrimento? Nem tanto. O time ficou tão interessante, que consegui visualizar todos eles com a camisa do Sapo, em um 2018 bem diferente daquele que tivemos e com o Mogi na Série A do Brasileiro.

O Cartola da semana montado apenas com ex-jogadores do Sapo

Para começar, o técnico. Adilson Baptista é o comandante. Recém-chegado ao América-MG, ele começou a carreira no Sapão, onde conduziu o time ao acesso à Série B do Brasileiro em 2001. A opção poderia ser por Guto Ferreira, que deixou o Bahia há pouco tempo ou até Argel Fucks, que já passou por vários times da Série A e treinou o Sapo em 2008. No campo de jogo, o esquema conta com três zagueiros, guarnecidos pelo goleiro Anderson. Titular do Sapo na conquista do Troféu do Interior, em 2012, o goleiro hoje é titular do Bahia. Pela direita da zaga, um ex-Bahia: Thiago Martins. Revelado na unidade de Mogi Mirim da Escola Oficial do São Paulo, o defensor passou anos na base do Sapo e foi negociado com o empresário Hélio Vasone, da Energy Sports, por Rivaldo, quando o antigo sócio deixou a gestão do Sapo. Thiago é um dos raros casos que podem render dinheiro ao Mogi em uma futura venda devido ao mecanismo de solidariedade criado pela FIFA para clubes formadores. Ainda na defesa, Ricardo Silva, que passou pelo Mogi em 2011 e é atualmente reserva no América-MG de Adilson Baptista.

Pela esquerda do setor, Thiago Alves, capitão do grande Mogi Mirim de 2012/2013, campeão do Interior e semifinalista do Paulistão. Hoje o beque joga pelo Ceará. No meio-campo, três volantes. O cabeça de área é Márcio Araújo. Sim, o jogador que hoje atua na Chapecoense, teve passagem longa pelo Sapo, entre 2000 e 2002. Depois, jogou em Atlético-MG, Palmeiras e Flamengo, sempre ultrapassando a marca de 200 jogos. Se tornou ‘meme’, mas tem uma carreira respeitável. Ao seu lado, um dos destaques do América-MG no Brasileiro. O volante Juninho chegou ao Sapo em 2012 e foi reserva na maior parte da Série D. Escalado improvisado por Guto Ferreira na lateral em vários jogos, partiu para a Ponte Preta e hoje é absoluto no meio-campo do Coelho.

Outro volante no time é Gabriel Dias, do Internacional-RS. Revelado pelo Palmeiras, jogou no Mogi no Paulistão de 2016, ano em que o Sapo caiu para a A2. É reserva no Colorado, mas conta com grande vigor físico e é sempre relacionado pela comissão técnica do Inter. A armação fica a cargo de Robinho. O meia do Cruzeiro foi campeão paulista sub20 pelo Mogi Mirim em 2006. No ano seguinte, jogou a Série A2 e em 2008 foi a grande estrela do Sapo no acesso para a Série A1 do Paulista. Negociado com o Santos, passou por Coritiba e Palmeiras antes de chegar à Raposa, onde é peça importante no esquema de Mano Menezes. Seria o 10 do Mogi, fácil fácil!

No ataque, optei por dois atacantes mais pesados e um velocista. A correria ficaria por conta de Rossi. Incrivelmente reserva na maior parte da Série C de 2013, o atacante virou xodó da torcida e era chamado de Zizao (aquele chinês que passou pelo Corinthians) nas arquibancadas. Depois de retornar à Ponte Preta, seu clube de origem, brilhou no São Bento e decolou. Na Chapecoense, se tornou um jogador de respeito nacional, depois, passou pela ásia e retornou ao Brasil para ser reforço do Internacional-RS. Já meteu gol no Corinthians e é adorado pela torcida pela interação nas redes sociais. No comando de ataque, Leandro Pereira é uma das opções. Hoje na Chape, o atacante já jogou no Palmeiras e no Sport. Cresceu absurdamente após uma passagem fraca pelo Sapo, em 2012, onde era chamado de Leandro Banana.

Seu parceiro de ataque é hoje um dos top do Brasil. Henrique Dourado chegou ao Mogi de uma maneira inusitada. Meteu gol contra o Mogi nas quartas de final da Série D de 2012, mas era reserva do Cianorte. Ainda assim, chamou a atenção de Luís Simplício, o gerente de futebol da época e foi contratado para o Paulistão de 2013. Meteu lá seus gols, mas ganhou destaque mesmo quando fez três diante do Botafogo-SP, nas quartas de final. Foi para a Portuguesa, passou apagado pelo Santos, foi artilheiro do Palmeiras em 2014. Depois, migrou para Portugal e retornou ao país para defender o Fluminense, onde explodiu de vez. No ano passado, foi o artilheiro do Brasil e hoje, é o Ceifador do Flamengo.

Henrique Dourado marcou oito gols pelo Mogi no Paulistão de 2013

Pronto, com Anderson; Thiago Martins, Tiago Alves e Ricardo Silva; Márcio Araújo, Juninho, Gabriel Dias e Robinho; Rossi, Henrique Dourado e Leandro Pereira, o meu Cartola está escalado para a rodada deste final de semana. Mas, poderia muito bem ser Bruno Grossi; Edson Ratinho, Lucas Fonseca, Wesley Matos e Malcoon; Renê Júnior, Moisés, Morato e Edinho; Everaldo e Hernane. Sim, é possível quase escalar mais um time só com ex-jogadores do Mogi Mirim. Aí, emprestei apenas Ratinho, hoje lateral do CRB, mas que já jogou no São Paulo e no Internacional-RS e o zagueiro Wesley Matos, que defende o Vila Nova, mas já jogou no América-MG.

Desta lista, ressalva interessante para o meia Edinho, que jogou em um Mogi já em frangalhos, em 2017 e ainda assim é um nome de nível nacional, com boa passagem pelo Fortaleza de Rogério Ceni e contratado pelo Atlético-MG para a sequência de 2018. Quem também ganhou destaque recentemente é o atacante Everaldo, contratado nas últimas semanas pelo Fluminense. Jogador do Mogi na Série B de 2015, rodou por times ainda menores, como Joseense e Serra Talhada até parar no Velo Clube. E é o time de Rio Claro que lucrar com o negócio, já que o vínculo do atleta, destaque no São Bento, é com o Galo Vermelho.

Na lateral-esquerda, o menino Malcoon é o nome. Cria da base do Mogi, o garoto estava na Inter de Limeira e chegou para o time de aspirantes do América-MG neste ano. Na posição, poderia muito bem ter escalado Glécio, que este ano jogou a A3 pelo Sapo e chegou a ser emprestado pelo clube para o Anderlecht, da Bélgica e para o Internacional-RS. Hoje é jogador do Bahia. Este segundo time ainda tem o goleiro Bruno Grossi, reserva de Grohe na meta gremista, o zagueiro Lucas Fonseca, suspenso neste rodada, mas titular no Bahia.

O volante Moisés, também suspenso, é peça chave na Chape e foi reserva do Sapo no acesso à Série B, em 2014. Outro volante de destaque é Renê Júnior, do Corinthians. Descoberto pelo Sapo em um jogo da Série C, pelo Icasa, o volante foi titularíssimo no Paulista de 2012 e depois brilhou na Ponte, no Santos e no futebol chinês. Também passou pelo Bahia antes de chegar ao Corinthians. Na armação, ao lado de Edinho, está Morato. O meia do São Paulo foi o principal jogador do Sapo nas primeiras rodadas do Paulistão de 2014. Contratado por indicação do ex-técnico Aílton Silva, rodou por outros clubes até chegar ao Ituano e chamar a atenção do Tricolor, onde está desde 2017.

No ataque, o ‘parça’ de Everaldo seria Hernane. O Brocador jogou no Mogi Mirim em 2012 após boa passagem por Paulista-SP e Paraná. Revelado pelo São Paulo, foi um dos artilheiro do Paulistão de 2012. Para se ter uma ideia do que fez Hernane no Mogi, no mesmo Paulistão 2012, Jadson, Casemiro, Lucas Moura e Luís Fabiano, juntos, marcaram 15 gols pelo São Paulo. Já Hernane fez 16 pelo Mogi. Um caos! Sem vínculos econômicos com o Sapo, foi negociado pela Energy Sports com o Flamengo, onde ganhou o apelido de Brocador e projeção nacional. Hoje defende o Grêmio.

Em 2012, Hernane fez 16 gols pelo Sapo e ficou atrás apenas de Neymar na artilharia do Paulistão

É muita gente, é muito texto. É muita história jogada fora. Se for para começar a falar de jogador por jogador que teve a honra de vestir a camisa do Sapo e hoje brilha por aí, passaria o sábado todo escrevendo. Felipe, meia do time de 2012 e Lins, titular no acesso à A1, em 2008, estão no futebol asiático. O mesmo vale para Willian Popp, destaque do Bucheon, da Coréia e reserva do Sapo na Série C de 2014, Dudu, reserva no acesso de 2012 e um dos artilheiros do Avispa Fukuoka, do Japão e Wagninho, espécie de 12º jogador no Paulista de 2013 e titular do Suwon Bluewings, da Coréia do Sul.  Daniel, goleiro de grande passagem pelo Mogi, hoje é titular do Nacional da Ilha da Madeira, primeiro clube de Cristiano Ronaldo. O arqueiro subiu de divisão com o Alvinegro, que no retorno à elite portuguesa, homenageará CR7, com uma camisa idêntica à que o atacante da Juventus usou pelo clube, na base, entre 1995 e 1997.

Lá fora, também estão Baraka, volante titular do Mogi em 2012 e Gustavo Costa, meia de boa passagem pela base e que defendeu o clube até 2015, na Série B. Por falar no segundo estágio do futebol nacional, por lá brilham nomes como os laterais João Paulo, atualmente no Figueirense; o goleiro Alex Alves e o meia Vitinho, do Bragantino, o zagueiro Fábio Sanches e o atacante Lucão, do Goiás, o volante Nando Carandina, do Paysandu e o meia Everton Heleno, do Vila Nova.

As variáveis de escalações são inúmeras (conforme lista abaixo). E a saudade que bate em ver o Sapão jogando uma Série B de Brasileiro em um Barradão ou em receber um Palmeiras ou Corinthians pelo Paulistão? É, destruíram o Sapo, mas não a história. E esse é um dos motivos para crer que é possível ver o Mogi Mirim EC reconstruído. Claro que, para isso, a mudança dos cartolas é imprescindível. Enquanto os atuais dirigentes seguem brincando com o Sapo, vamos brincar com o Cartola e torcer para que mais e mais bons jogadores possam poder contar que, um dia, jogaram em um clube como aquele Mogi que nós conhecemos!

VARIÁVEIS DE ESCALAÇÕES APENAS COM EX-JOGADORES DO MOGI MIRIM QUE SEGUEM EM ATIVIDADE

Daniel; Edson Ratinho, Lucas Fonseca, Thiago Martins e Leonardo; Renê Júnior, Juninho, Robinho e Felipe; Rossi e Henrique Dourado. TÉCNICO: GUTO FERREIRA.

Anderson; Luís Felipe, Ricardo Silva, Tiago Alves e João Paulo; Márcio Araújo, Moisés, Morato e Roger Gaúcho; Roni e Hernane. TÉCNICO: ARGEL FUCKS.

Alex Alves; Roniery, Fábio Sanches, Wesley Matos e João Paulo; Baraka, Nando Carandina, Edinho; e Vitinho; Everaldo e Leandro Pereira. TÉCNICO: DADO CAVALCANTI.

Bruno Grossi; Valdir, Wagner, Gilberto e Cristiano; Carlos Alberto, Val, Aloísio e Wagninho; Willian Popp e Lucão. TÉCNICO: ADILSON BAPTISTA.

Reynaldo; Pablo, Alex Moraes, Paulão e Glécio; Maycon, Jonathan Almeida, Vitor Xavier e Marlon; Serginho e Cristian Borja. TÉCNICO: CLAUDINHO BATISTA.

Wendell; Danilo Baia, Danrlei, Mirita e Malcoon; Geovane, Gustavo Costa e Calabres; Bruno Nunes e Léo Arthur. TÉCNICO: JOSÉ CARLOS SERRÃO.

André Luiz; Alex Reinaldo, Glastone, Saimon e Bruno Teles; Gabriel Dias, Diego Lorenzi, Lulinha e Romildinho; Lins e Nando. TÉCNICO: ANTONIO CARLOS ZAGO.

Mateus; Jackson, Renato Santos, Renato Camilo e Bruno Costa; Wendell, Alan Motta, Danilo Sacramento e Jean Deretti; Diego Torres e Keké. TÉCNICO: MÁRCIO GOIANO.

Cléber Alves; Anderson Conceição, Halisson, Dieguinho; Josa, Memo, Cristian e Tomas Anderson, Bruno Veiga e Dudu. TÉCNICO: GIVANILDO DE OLIVEIRA.

Fabiano Heves; Edvan, Flávio Boaventura, Audálio e Luan; Hygor, Anderson e Everton Heleno; Everton Sena, Ricardinho e Ruster. TÉCNICO: PAULO BONAMIGO.

Fábio; Caio, Luiz Eduardo e Bruno Ré; Diguinho, Elyeser e Ytalo; Jorge Elias, Magrão e Roniele. TÉCNICO: AILTON SILVA.

Ricardo Villar; Rossini, Ricardo Silva, Mauro e Jefferson Recife; Magal, Renato Cajá e Fernando Gabriel; Léo Gonçalves, Rafael Costa e Frontini. TÉCNICO: TONINHO CECÍLIO.

Lucas Pedrosa; Rafael Rocha, Vinicius e Alemão; Willian Favoni, Wagner Carioca, Francisco Alex e Marcelinho; Neto Baiano, Cristiano e Rivaldinho. TÉCNICO: EDINHO NASCIMENTO.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *