Jardim Brasília x LEC na final: Parte II

Finalista da Terceira Divisão em um ano e finalista da Segunda Divisão na temporada seguinte. Esta condição tem se tornado comum no Campeonato Municipal de Futebol Amador de Mogi Guaçu. Em 2016, o Santa Terezinha chegou à final e bateu o Alto dos Ypês, ficando com a taça. No ano seguinte, a equipe foi até a final da Segundona, perdendo para o Bandeirante. Neste ano, esta situação será repetida em dose dupla.

Na última temporada, LEC e Jardim Brasília decidiram a Terceira Divisão. A equipe da Vila São Carlos, bairro da zona Norte de Mogi Guaçu, bateu o Brasília por 1 a 0 no estádio Carlos Nelson Bueno (Furno). Agora, no domingo, dia 12 de agosto, as equipes retornarão ao estádio para definir quem será o campeão da Segundona. O duelo será às 9h10 e não há vantagem do empate para lado algum. Os times confirmaram a classificação para a final e o acesso para a Primeira Divisão de 2019, no domingo (5).

No Cerep, o Jardim Brasília venceu o Jardim Hedy por 2 a 1. No mesmo dia, o LEC venceu o Fenerbak por 2 a 0, no Campano. Apesar das vitórias complicadas, os finalistas são os donos das melhores campanhas até aqui. O Brasília está invicto e conquistou 31 dos 33 pontos disputados no torneio. São 10 vitórias em 11 partidas e o melhor ataque, com 29 gols. Anderson, com oito, é o artilheiro geral. Já o LEC perdeu apenas uma vez, exatamente no encontro com o Brasília, na primeira fase. Com oito vitórias, o LEC possui a melhor defesa do campeonato, com apenas seis gols sofridos em 11 jogos.

Fundado em 2005, o clube Celeste e Branco conta com Carlinhos na presidência. A organização passa também por figuras como o técnico Gustavo Godoy, o Gu, além de Danilo, Hugo, Renan Rangel e Paulinho. “Nós se organizamos nos últimos anos. Formamos um pilar que deu liga, tanto que, no último na,o fomos campeões da Terceira e vice na Copa dos Campeões e, agora, estamos na final novamente”, destacou Gu.

O treinador analisou como “muito sólida” a campanha do Lagoa EC até aqui, sobretudo, com o baixo número de gols sofridos. “Tomamos apenas seis gols em 11 jogos e temos um ataque muito rápido. Mantemos praticamente a mesma base do ano passado e nos reforçamos muito bem nas posições que tínhamos mais carência”. Para este ano, o LEC conta com os goleiros Renato e Daniel; os laterais Fernando, Danilo, Hugo e Ruan; os zagueiros Alan, Gui, Tinão e Caio; os volantes Eliezer, Misael, Ayoub e Babu; os meias Alexandre, Kesley e Waguinho e os atacantes Igor, Gui Santiago, Renan Rangel e Bambi.

Já o Brasília foi fundado em abril de 2014, o clube da zona Sul veste preto, azul e branco e conta com Anderson Alves, o Aladim, na presidência. Em campo, o time é dirigido por Quejinho JP, que conta com os seguintes atletas à disposição: Rafael e Manoel (goleiros), Bruno, Jhonatan, Jean e Peninha (laterais), Alexander, Júlio, Adélio e Marião (zagueiros), Odirley, Paulinho, Gustavo e Pitico (volantes), Bruno, Mateus, Di, Marquinho e Celão (meias) e Preto, Toni, Aristides, Matheus, Pestinha e Jefinho (atacantes). Para Aladim, a grande força do Jardim Brasília é que os jogadores atuam por amor à comunidade e não por dinheiro.

“O dinheiro não vai fazer eles melhores e sim acreditar no seu time e na sua comunidade”. Para o presidente do Brasília, o reencontro entre os finalistas da Terceirinha de 2017 é justo, já que ambos fizeram as melhores campanhas. Ainda assim, não acredita que haverá um peso dentro de campo devido ao duelo já ter ocorrido no ano passado. Já para Gu, do LEC, o ponto central é que o jogo de 2017 reuniu dois times que não se conheciam. Agora, além de uma certa rivalidade, as equipes sabem muito bem o que cada um pode oferecer. “Pode ter certeza de que será um grande jogo”.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *