Vida Mais: Um projeto social feito com amor de pai

Não tem jeito, todo pai se gaba de seu filho. Hora ou outra todo mundo se dá ao direito de ser coruja, de valorizar, de se orgulhar. Quando este “filho” é um projeto que vem mudando a vida de aproximadamente 350 idosos e seus familiares, o orgulho é ainda maior. Com potencial para mudar toda uma sociedade, o Centro do Idoso Vida Mais é um filho desses raros, que merece cada pontinha de orgulho dos pais. Todo este sentimento bonito de se ver e de se admirar é resumido magistralmente por Fernando Schnitzer, um dos fundadores do Vida Mais. “É mais do que um filho, é um sonho sendo realizado”, resumiu.

O nascimento do Vida Mais foi uma gestação bem planejada. Recheada de pesquisas, estudos e análises. Schnitzer contou que quando a instituição ainda era um sonho, várias visitas foram feitas em países como Canadá e Suíça. Assim, aos poucos, o projeto foi se moldando. Depois destas visitas, os fundadores da iniciativa decidiram que o ideal seria que a ideia nascesse em uma cidade pequena e não em um grande centro urbano ou uma metrópole.

“Nestes grandes centros a família fica renegada ao segundo plano, na cidade pequena e média, este núcleo familiar é mais coeso”, justificou. Além disso, outra decisão foi de trabalhar com idosos, um grupo social vulnerável que nem sempre recebe a devida atenção na sociedade. Baseados nestas premissas, chegou a hora então de transformar o sonho em prática e a cidade escolhida para ser o berço do projeto foi Itapira.

O objetivo era criar um espaço adequado para receber aqueles idosos que muitas vezes ficam sozinhos durante longos períodos enquanto seus familiares trabalham e cuidam de outros afazeres do dia a dia. “Muitas vezes os filhos e outros parentes deixam o idoso sozinho porque têm que trabalhar e você não tem locais e nem mesmo muitos profissionais capacitados para tomar conta e fazer companhia para este idoso. E é isto, muitas vezes só é preciso fazer companhia”, explicou.

Assim, o Vida Mais ganhou forma. Um espaço planejado e construído em detalhes para atender as demandas da terceira idade. Um local onde os idosos pudessem interagir, cuidar da saúde, fazer amigos e tudo o mais que precisassem para garantir uma velhice saudável e satisfatória. “A gente viu lá fora (do país) a qualidade de vida para os idosos e trouxemos isso para cá”, explicou e completou “hoje o Vida Mais é uma referência em qualidade de local e de pessoas que lá trabalham”.

O resultado aparece a cada dia. A qualidade de vida dos associados cresce em uma linha ascendente e muitos, inclusive, tem reduzido a quantidade de remédios que precisam no dia a dia em virtude dos benéficos obtidos com sua nova rotina. “Os idosos estão mais felizes. Eles estão parando de tomar remédios porque ganharam novas perspectivas”, explicou. Mas, nem tudo são flores no caminho do Vida Mais. A sociedade parece ainda não ter entendido a magnitude do projeto e a sobrevivência dele ainda depende de seus fundadores. “Nós é que bancamos. Os idosos ajudam mais que os empresários”, desabafou.

Outro fundador do Vida Mais, Roberto Colosso, faz coro ao orgulho de Schnitzer. Para ele, a entidade também é como um filho e tem desempenhado de forma ímpar a sua missão de melhorar a qualidade de vida dos idosos. “Eles se sentem muito bem”, resumiu. Para provar que o sucesso da iniciativa não é papo de pai orgulhoso, o associado do Vida Mais, Cláudio Sartorelli, comemora a oportunidade de integrar a iniciativa. “A cada dia que passa vai ficando melhor. Vamos fazendo novas amizades”, garantiu. Mas, não é apenas entre os idosos que os benefícios são sentidos. Ele garante que até mesmo a relação e sua interação com os familiares tem sofrido a influência dos efeitos positivos de sua participação neste projeto único. “Tudo só melhora”, garantiu.

“Eu acredito que todo amor possível no mundo é algo que vem do fundo de um lugar em que não sabemos nada e não acredito”.

INSPIRAÇÃO

Quem também tem muito carinho pelo Vida Mais é o colaborador da instituição, Fernando Pinnas. O jornalista, que acompanha de perto o projeto, garante que não há dúvidas do impacto positivo que a instituição tem trazido para a vida dos idosos a frequentam. “Há relatos de familiares dos próprios idosos que afirmam que, depois que começaram a frequentar o Vida Mais, apresentaram significativa melhora em suas condições gerais de vida. Idosos que tinham dificuldades para dormir, que estavam sofrendo com sintomas depressivos, ou que tinham hábitos de vidas sedentários e hoje se mostram muito mais ativos, alegres. A energia e a descontração demonstradas pelos idosos nas atividades é algo fantástico, muito bonito e inspirador”, contou.

Mas, não são apenas os idosos do Vida Mais que têm servido de inspiração para ele. Na avaliação de Pinnas, a existência da entidade por si só já significa muito. Na visão do jornalista, a importância do projeto vai além dos idosos e de suas famílias e influencia a sociedade como um todo. Ao propor atividades que aumentam a qualidade de vida e melhoram as condições gerais de saúde, física e mental, o Vida Mais acaba contribuindo com todo um ecossistema que inclui as relações humanas e os mecanismos sociais.

Além de todos os ganhos proporcionados à vida dos idosos que participam das atividades do Vida Mais, a iniciativa de seus idealizadores também renova a esperança nas pessoas e em atitudes transformadoras. “É um projeto com atendimento gratuito, com uma proposta absolutamente honesta e sincera, de uma organização impecável e com qualidade e comprometimento que infelizmente ainda não estamos acostumados a ver em nosso país”, opinou.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *