Tiago da Silva: Um itapirense a um salto da Olimpíada

Albert Einstein nos ensinou que tudo é relativo. Talvez, com o passar do tempo, a sua teoria tenha se tornado mais fácil de ser entendida. Para você, 2020 está perto ou longe? Para o atleta itapirense Tiago da Silva, 2020 é logo ali. Depois de ficar no quase na hora de ir para as Olimpíadas de 2016, ele está ainda mais obstinado e correndo (ou saltando) como nunca para realizar seu sonho de chegar aos Jogos.

A modalidade dele é o salto em distância e, neste esporte, mais uma vez a relatividade explicada por Einsten se faz entender. Em muitos momentos da vida, mal damos importância a alguns centímetros… Mas, na hora do salto de Tiago, qualquer milímetro pode fazer a diferença. Segundo ele, para conseguir a vaga para as Olimpíadas de Tóquio, ele precisa saltar entre 8,15 metros e 8,18 metros. Até agora, a melhor marca obtida por ele é a de 8,09 metros.

A diferença pode parecer pouca, mas superá-la não é fácil. E para conseguir realizar seu sonho, o itapirense trabalha cada dia mais forte. “As preparações estão boas, estamos fazendo um bom trabalho para chegar bem em 2020. A cada dia vejo que estou mais perto”, afirmou e completou “a briga vai ser grande, vou precisar estar com um resultado bom e fazendo isso constantemente para ficar entre os três convocados”.

Para conseguir a marca e a constância que podem garantir a passagem de ida para o Japão, o atleta tem mantido sua agenda cheia. Neste ano já participou do Campeonato Estadual, GP Sul Americano, Torneios FPA, Troféu Brasil, Campeonato Mundial, Mundial Universitário, Pan-Americano Universitário e Sul Americano. Por enquanto, a melhor marca conseguida por ele nas competições foi de 7,76 metros, mas, ele ainda tem chances de melhorar este resultado. “Esse ano tem algumas competições ainda. Entre elas, a mais importante é o Troféu Brasil, em setembro”, explicou.

Apesar do “pouco tempo” que falta para a Olimpíada, Tiago não precisa ter pressa e pode se dedicar para melhorar cada detalhe que considere necessário para estar entre as estrelas que representarão o Brasil em Tóquio. Ele tem até julho de 2020 para obter os índices necessários e assegurar o seu lugar na seleção brasileira.

A favor do itapirense, pesam o fato de ele não ter nenhuma lesão com a qual se preocupar e a experiência de quem já esteve muito perto de representar o Brasil em uma Olimpíada. Em 2016, ele saltou 7,72 metros em sua última oportunidade de garantir a vaga nos Jogos. Apesar de ter ficado fora da disputa mundial, a oportunidade serviu para ensinar importantes lições ao atleta. “O nervosismo e a ansiedade atrapalharam muito, isso já é uma lição que irei levar para resto da vida”.

Agora, mais maduro e preparado para representar o Brasil perante o mundo, ele soma a lição de 2016 ao seu talento e mostra que está mais do que pronto para encarar os desafios que vai enfrentar pela frente até ter a oportunidade de lutar pela medalha de ouro no Oriente. “Estou confiante e focado nos treinos para deixar de ser um sonho e virar realidade, a mente tem que estar forte para não deixar pensamentos ruins atrapalhar a desempenho nas competições”, disse.

Next Post

O brilho do Cerâmica nos Jogos Regionais

ter ago 14 , 2018
Em 2018, o basquetebol do Cerâmica Clube assumiu uma missão importante. Representar Mogi Guaçu nos Jogos Regionais. Através de uma parceria com a Prefeitura, em que o clube oferece toda a estrutura e equipe e o poder público custeia o transporte, o basquete local passou a contar com a marca […]