Mika é vice-campeã sulamericana de ski

Do asfalto quente de Mogi Mirim para as montanhas da Espanha. Das conquistas em corridas em ascensão graduada para descidas em um ski em Termas de Chillán, no Chile. A mogimiriana Mirlene Picin, a Mika, segue colocando a cidade e a região em evidência internacional. Neste final de semana, ela disputou mais uma edição do Campeonato Sulamericano de Ski Cross Country e da Copa Chilena, a National Championship.

No domingo (2), a esquiadora brasileira conquistou a medalha de prata na prova feminina de quinto quilômetros. Mirlene fechou a distância em 16 minutos, 28 segundos e 1 centésimo, ficando pouco mais de seis segundos atrás da também brasileira Gabriela Neres. O resultado deu a Mika 146, 18 pontos FIS (Federação Internacional de Ski), lembrando que a pontuação é contada de forma decrescente, ou seja, quanto menos pontos, melhor.

Já na segunda-feira, Mirlene ficou com a medalha de bronze na Copa Chilena, a National Championship. Ela fechou os cinco quilômetros em 17 minutos, 05 segundos e 2 centésimos. Já nesta terça-feira (4), na prova de Sprint de 1 quilômetro, Mika foi a quarta colocada. Ainda no Chile, ela falou com a reportagem do GRANDE JOGADA. “A meta aqui era estar no Top 3 de pelo menos uma prova. Acabei sendo Top 3 em duas. Sabia que seria complicado, pois, nesse primeiro semestre de 2018, meus treinos foram todos focados para as provas de montanha. Hoje o meu maior desafio é ser competitiva em duas modalidades completamente diferentes”, pontuou.

Com os resultados, a atleta manteve o bom desempenho em provas de ski. Em 2015, foi campeã sulamericana de cross country, naquela que foi a primeira edição do torneio. Em 2016, o evento foi cancelado por falta de neve e, em 2017, Mika foi mais uma vez a campeã. A mogimiriana ainda coleciona 26 medalhas em sulamericanos de biatlo, sendo 12 de ouro, entre 2008 e 2017.

FOTO: DIVULGAÇÃO

Next Post

O São Paulo nem precisa ser campeão

qua set 5 , 2018
Assistir o processo de empequenamento de um clube de futebol pode ser divertido para um rival. Quem é apaixonado de verdade pelo esporte, pode até gostar da brincadeira e entender que ela faz parte de todo o cenário folclórico que sustenta essa modalidade tão apaixonante. Mas, convenhamos. Dói ver uma […]