A reabilitação cardíaca está associada à melhora da vida sexual de pessoas com problemas no coração?

Caroline Zacariotto Silva*

Uma revisão sistemática lançada no Canadian Journal of Cardiology, em dezembro de 2018 comparou a saúde sexual de pacientes com doença cardiovascular que fizeram de reabilitação cardíaca com pacientes que não o fizeram, e descobriu que a frequência de reabilitação está associada à melhora da função sexual e frequência sexual. Este estudo valida também o benefício do treinamento físico e aponta para a necessidade de mais pesquisas de alta qualidade para entender melhor o papel do aconselhamento e de outras terapias no alívio das repercussões sexuais de um evento cardíaco. Os pesquisadores também concluem que são necessárias mais evidências para esclarecer se a reabilitação cardíaca tem impacto na satisfação sexual, retomada da atividade sexual e outros aspectos da saúde sexual.

As limitações físicas dos pacientes que sofre com doenças cardiovasculares impactam diretamente em sua vida sexual, associada aos efeitos colaterais das medicações e barreiras psicológicas, acabam por reduzir a qualidade de vida do paciente e distanciam essas pessoas de seus parceiros. Já é de conhecimento que a reabilitação cardíaca reduz a mocidade e mortalidade nessa população, contudo este é o primeiro estudo de revisão que explora seus resultados na saúde sexual do indivíduo.

Há também a necessidade de avaliar o efeito da melhora da função cardiovascular e muscular causada pela reabilitação cardíaca, se isso influenciar de alguma forma a saúde sexual, sendo necessários assuntos mais aprofundados.

Portanto saber e entender a importância da saúde sexual e os potenciais benefícios da reabilitação cardíaca nos resultados sexuais são essenciais para melhorar a qualidade de vida dos paciente após um evento cardiovascular. Tornando-se imprescindível oferecer aconselhamento imediato e adequado sobre a vida sexual de pacientes com doença cardíaca.

 

Artigo citado:  https://doi.org/10.1016/j.cjca.2018.08.020

 

*Caroline Zacariotto Silva é formada em fisioterapia na UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), possui cursos de pós-graduação lato senso e especialização na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) e é pós graduada em medicina tradicional chinesa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *