Ex-parceira da Esportiva projeta CT de alto nível

No final de janeiro, a gestão da Esportiva Itapirense sofreu uma mudança. A Head Soccer, empresa que atuou como parceira da AIRC Sports na administração do clube desde o começo de 2018, deixou a parceria. As conversas tiveram início ainda em 2018 e foram acentuadas após o encerramento da participação da Esportiva Itapirense na Copa São Paulo de Futebol Júnior.

Durante praticamente um ano, as duas empresas comandaram o futebol da Vermelhinha. De acordo com Careca Paiva, um dos responsáveis pela Head Soccer, a parceria chegou ao fim de forma amigável. “Não vamos mais participar da gestão da Esportiva nas competições deste ano. Nem no profissional e nem na base”, explicou Careca, que atuou como gerente de futebol durante a sua passagem pelo clube de Itapira.

Ele explicou que os gestores das empresas, Juan Isaza, da Head Soccer, e Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, da AIRC Sports, não chegaram a um acordo para tocar o futebol “em quatro mãos” e ressaltou que as conversas foram em alto nível durante todo o tempo. “O que posso dizer é que não queremos falar um tchau e sim um até breve”, frisou Careca. O profissional do futebol ressaltou o carinho não apenas com o clube e sua torcida, mas, sobretudo, com a cidade.

“Fomos muito bem recebidos e gostamos demais da cidade. Temos um carinho por ela e pela população. Infelizmente, tivemos pontos de vista diferentes durante a parceria e não chegamos a um acordo. Porém, seguimos com uma grande amizade com o Cidão, o Ronaldo (presidente da Esportiva). Vamos deixar para eles tocarem e tenho certeza de que farão um bom trabalho”, destacou.

Careca ainda fez questão de enfatizar que a Head Soccer deixou a cidade sem dívidas. “E também sem lucros. Tudo foi cumprido e ainda pudemos ajudar na parte social, com parceria com a Prefeitura, a máquina de irrigar água, o evento de futsal com o Falcão, que foi muito legal. Criamos muito e gostaríamos de criar mais. Porém, ressalto de novo, que o melhor foi assim e desejo toda a sorte do mundo ao Cidão, ao Ronaldo e a todos que permaneceram.

XV DE JAÚ

A Head Soccer agora será parceira do XV de Jaú. Por coincidência, o clube está no grupo da Esportiva Itapirense e os antigos parceiros irão se enfrentar ao menos duas vezes em 2019. “Isso é do jogo. Aconteceu de cair no mesmo grupo e vamos jogar. Espero que, lá na frente, os dois clubes cheguem na final, já com os acessos garantidos, para uma grande festa do futebol, frisou Careca.

Careca Paiva falou sobre os projetos da Head Soccer após a confirmação da saída da Esportiva Itapirense e a chegada ao XV de Jaú | Foto: Lucas Valério

Ele será o novo gerente de futebol do XV de Jaú. Dias após o fim da parceria com a Esportiva, a Head Soccer aceitou a proposta para contribuir com a gestão do Galo da Comarca. Ele será o responsável por ser o elo entre a empresa, a diretoria do XV e o técnico China, que comandou a Esportiva Itapirense no início da Segunda Divisão do Paulista de 2018, quando a Head Soccer já mantinha parceria com a AIRC Sports.

“O pessoal do XV, na pessoa do presidente (Rodrigo Luiz Paulino) veio até a gente e fez a proposta. Não aceitamos de início, pois tínhamos o compromisso com a Esportiva. Porém, com o fim da parceria, voltamos a conversar e deu tudo certo”, explicou Careca. Ele destacou que, assim como em Itapira, jogadores colombianos serão inseridos no elenco do XV de Jaú, além de jogadores brasileiros.

“O presidente concordou com o pensamento e a nossa forma de trabalhar. Não vão interferir em campo, com atletas. Teremos todo o suporte da administração, sem a interferência no futebol”, frisou. O formato da parceria é semelhante ao que a empresa do ex-jogador Juninho Paulista tem com o Ituano, em que o clube segue com a presidência da instituição ligada à cidade, porém, com o futebol, de certa forma, ‘terceirizado’.

CT MODERNO

Um dos vínculos mantidos entre a Head Soccer e a região é a construção de um moderno Centro de Treinamento. O local fica às margens da SP-147 e deve ser entregue até o final do ano. O local fica em terreno ao lado do SP Motel, próximo ao trevo de acesso a Mogi Mirim. A área terá toda a estrutura necessária para a formação de atletas de futebol. Serão construídos quatro campos oficiais, sendo dois com a metragem de 110m x 80m e outros dois com 110m x 70m. Ainda será formado um outro campo menor, para trabalho técnico, com 45m x 25m.

O espaço contará com alojamento e deve acolher até 80 atletas. Além disso, o espaço poderá funcionar como uma espécie de hotel  com espaço para treinos para delegações que venham atuar contra os clubes da região, bem como, para fazer toda uma pré-temporada. Vale ressaltar que clubes como Palmeiras e Vasco da Gama, fazem, com frequência, sua preparação em cidades do Interior, como Atibaia.

“A área terá ainda sede administrativa, academia, piscina. As máquinas estão lá, trabalhando. Acredito que até o final do ano a gente possa inaugurar e em 2020 já esteja em atividade”, ressaltou Careca. O dirigente não soube precisar o custo total, mas, estima que cerca de R$ 5 milhões devem ser investidos em um projeto como o que será finalizado. Para se ter uma ideia, o campo principal contará com uma arquibancada para cerca de 500 pessoas. “Muitos pais, mães, amigos querem ver o jogo e isso dará segurança. Vamos respeitar todas as normas, como as da Federação Paulista”, frisou.

IAC

Careca destacou ainda que a ideia do CT também é contribuir com o crescimento do comércio local. “Esta área nos compramos justamente por acreditar na cidade de Itapira. Claro que estamos em Mogi Mirim, mas é tudo muito perto”, frisou Careca. O agora gerente de futebol do XV de Jaú voltou a frisar o carinho pela região e a ideia de voltar não sai da sua cabeça. Tanto que, ao citar o desejo, chegou a mencionar até uma instituição que está inativa há anos.

“Eu quero um dia voltar para cá. Tenho certeza de vou voltar. Se é na Esportiva, no IAC, Mogi Mirim, Guaçuano? Isso não sei”. O IAC é o Itapira Atlético Clube, agremiação que foi fundada em agosto de 1971 e atuou profissionalmente entre 1973 e 1997. Inativo desde então, o clube ainda possui CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica) aberto e teve o retorno cogitado em 2005, quando a cidade, através do então prefeito Toninho Bellini, resolveu reativar o futebol profissional.

Na época, não houve acordo com o responsável pelo CNPJ e a Esportiva Itapirense teve o retorno oficializado após quase 40 anos parada. Ao ser questionado sobre a menção ao IAC, Careca garantiu que não há nenhuma tratativa para a reativação do clube e que é uma mera cogitação. “Não é esse o pensamento. Não fazemos a mínima ideia de como está e como seria a burocracia. Não sei também se a cidade suportaria duas equipes. Não posso falar nem que sim e nem que não no momento”, enfatizou.