Jessy e a vitória na corrida contra a depressão

Há alguns anos, a depressão era tratada por muita gente como frescura. Hoje, o respeito pela doença que mais atinge pessoas no planeta aumentou, assim como as várias formas de se desvencilhar dela. Para Jesiane da Silva Bezerra, a Jessy, a solução veio quase que sem querer e teve o esporte como grande remédio.

A carreira de corredora começou no final de 2016. Durante mais de um ano e meio depressiva, devido à morte do irmão mais velho, começou a correr a correr na rua sem querer saber a direção. Em um dia desses, encontrou casualmente o treinador da equipe Sejel (Secretaria de Esporte Juventude e Lazer) de Mogi Mirim, José Heraldo, que a motivou a praticar o esporte.

“Com a orientação do José Heraldo fui treinando e ele me levou para as competições, falando que eu tinha chance de ir bem. A corrida, no começo, foi uma terapia”.

Hoje, a rotina é uma loucura. Jessy trabalha de madrugada como padeira e treina logo após o serviço, durante a tarde. Depois, já segue para a faculdade. A falta de patrocínios ainda é um entrave para um tempo maior de preparação. Ainda assim, a atleta agradece o apoio da Free Play Sports, que cuida da sua preparação com treino de fortalecimento.

PROVAS
Em 2017, seu primeiro ano como atleta, Jessy participou de 24 corridas. A cada competição a paixão pela modalidade crescia e apenas em 2018 passou a disputar apenas provas com premiação em dinheiro. Ela também começou a treinar com Carlos Antônio Bira, que segue orientando a atleta até hoje.

Entre os principais resultados, destaque para as três medalhas de prata que conquistou nos Jogos Regionais e uma prata nos Jogos Abertos, todas em 2018. Ainda no ano passado, foi a terceira colocada na Meia Maratona de Rio Claro, como tempo de 1 hora e 22 minutos, ficando atrás apenas de uma queniana e uma atleta da Nike. Neste ano, em janeiro, foi a quarta colocada na Corrida Volta ao Cristo, em Poços de Caldas (MG).

A atleta, porém, não defende mais as cores de Mogi Mirim. A oportunidade que não tem na cidade, ausente nos últimos três Jogos Regionais, ela recebeu de Limeira, cidade pela qual faturou as medalhas em 2018. “Mas, tenho um carinho muito grande pela equipe Sejel Mogi Mirim”, frisou.