Ricardinho: o maior artilheiro da Esportiva Itapirense

Grandes craques já estufaram as redes em defesa de escudos do futebol itapirense. Uma história que vem desde o início do século 20. A cidade jamais ficou restrita a um esquadrão. SC Itapirense, Itapira FC, Sarkis, Juventus, Auto e Rio Branco tiveram enormes gênios em seus quadros. Nunca, porém, desfilaram em partidas profissionais. A primeira agremiação que teve este status em Itapira foi a Sociedade Esportiva Itapirense.

Não é a que mais esteve em campo nestas condições, marca que cabe ao adormecido e também grandioso Itapira Atlético Clube. Irmãos Nogueira, Itapira EC e Santa Bárbara também preencheram a lacuna profissional em algumas temporadas. Uma divisão que limita a inserção de grandes nomes à lista de artilheiros da Esportiva, que atuou profissionalmente em 1954, 1957, 1969 e depois, a partir de 2006. E, com tantos e tantos craques do passado, cabe a um ídolo recente o estado de maior artilheiro da história profissional da Vermelhinha.

Ninguém marcou mais gols do que o atacante Ricardinho. Hoje com 32 anos e vestindo a camisa do Penapolense, na Série A2 do Campeonato Paulista, Ricardo Martins Pereira nasceu em São Paulo (SP) e chegou à Esportiva Itapirense em 2005, quando o clube retomava a profissionalização. Logo se destacou no Campeonato Paulista Sub20 e, em 2006, mostrou o faro de gol na Segunda Divisão de Profissionais, terminando o torneio com 12 gols marcados e como artilheiro do time.

Foi também o artilheiro na Bezinha de 2007, quando o clube conquistou o acesso para a Série A3, e em mais quatro torneios disputados com a camisa vermelhinha. No total, são 58 gols marcados, um recorde que parece inalcançável. Entre os jogadores do atual elenco, apenas Danilo Lima já marcou em partidas profissionais pelo clube.

Em bate-papo com o GRANDE JOGADA, Ricardinho afirmou ser uma honra ser o maior artilheiro profissional do Coelho. “É marcante saber que estou na história do clube, que marquei meu nome. Ainda mais na Esportiva, que é tudo para mim. Foi onde comece a minha vida e carreira e sempre vou levar este clube em meu coração”.

Para ele, o ano mais marcante foi 2007, devido ao acesso para a Série A3. Já a maior frustração foi não ter conquistado o acesso para a Série A2 em 2009. “Talvez esse foi o melhor time que a Esportiva teve nos últimos anos”, destacou. Maior artilheiro de um clube que já teve lendas como José Peretta, Capota, Carlucha e Foraciepe, Ricardinho rodou o Brasil e o mundo, se naturalizou equato-guineense, mas seu grande sonho é voltar para ‘casa’. “Tenho o sonho de encerrar minha carreira em Itapira e com um acesso”.

CRÉDITO DA FOTO: PAULO GODOY/TRIBUNA DE ITAPIRA

Next Post

Wilson Foraciepe: o eterno Rei da Grande Área

sáb mar 16 , 2019
Wilson Foraciepe nasceu em 15 de julho de 1944. Começou a jogar bola aos 13 anos de idade e seu primeiro time foi o Bandeirantes EC. Era ponta direita, mas, a intimidade com o gol iria, obviamente, conduzi-lo à condição de centroavante. E foi dos melhores que Itapira já teve. […]