Wilson Foraciepe: o eterno Rei da Grande Área

Wilson Foraciepe nasceu em 15 de julho de 1944. Começou a jogar bola aos 13 anos de idade e seu primeiro time foi o Bandeirantes EC. Era ponta direita, mas, a intimidade com o gol iria, obviamente, conduzi-lo à condição de centroavante. E foi dos melhores que Itapira já teve. Palmeirense de infância, tinha entre as referências José Peretta, ídolo de tanta e tanta gente no velho estádio municipal, na época ainda na área próxima ao Parque Juca Mulato. Não que o ainda menino gostasse muito de ir ver futebol. “Eu gostava mesmo era de jogar, nem costumava ir ver muito”, brincou.

Foraciepe atendeu a reportagem do GRANDE JOGADA com a costumeira educação e bom humor. O papo que deveria durar ’15 minutinhos’ foi, aos poucos, se tornando algo de mais de hora. Ainda teve tempo para fotos ao lado de Robinho, atacante da cidade que irá vestir a camisa que um dia teve Foraciepe como ícone. “Espero que ele se torne um grande jogador de futebol e chegue a um clube grande. Eu estive perto de ir para o São Paulo, estava tudo certo com o diretor, o Paulo Planet Buarque, mas, quem disse que eu fui”.

A história de Robinho está na página ao lado e ainda há muitas páginas para serem escritas quando o assunto é futebol. Já a de Foraciepe está mais do que cravada. Entre 1964 e 1965, jogou profissionalmente pela Sociedade Esportiva Irmãos Nogueira. No Alvinegro atuou ao lado de lendas como Carlucha, outra referência na história da Esportiva.

Anos depois, foi Foraciepe quem redigiu com belas letras o seu nome na Vermelhinha, sendo o artilheiro no título de 1969, com 17 gols. “Teve jogo que fiz três, outros quatro gols. Era para ter sido 23, mas anularam uns gols. Teve três legítimos em Porto Ferreira, com o Palmerinha, que o juiz anulou”, recordou.

O título de 1969 foi o grande momento da carreira de Foraciepe e, em seus 50 anos, a conquista será recordada com mais detalhes em outras edições do GRANDE JOGADA. Prestes a completar 75 anos de vida, Foraciepe mora há tempos quase em frente ao estádio que o consagrou em 1969. Com os 17 gols ele é, até hoje, o maior artilheiro em uma única competição com a camisa da Esportiva, além de ser o único goleador de um campeonato vestindo o tradicional manto vermelho.

O Rei da Grande Área interrompeu muito jovem a carreira profissional. Aos 25 anos, começou a estudar e se dedicou apenas ao amadorismo. Jogou no Itapira FC, Cubatão, Santa Fé, Vila Esperança e outros times, sempre com o faro aguçado na hora de balançar as redes. Hoje, segue a paixão pelo futebol, com a torcida pelo seu querido Palmeiras. E, mesmo com 74 anos, a bola se mantém como uma inseparável companheira.

“Jogo meu futebolzinho todo sábado com o pessoal do Carunchos. Só não quero mais saber de ataque. Eu gostava de fazer gol quando estava em condições de jogar de verdade, hoje eu engano. Jogo de lateral, volante, menos centroavante. O que não dá é para ficar sem bater uma bolinha”, se diverte Foraciepe. Um ícone do passado que para sempre deve ser tratado como referência. Um professor da arte de fazer gols.

Next Post

Membros do GAM assumem a diretoria do Mandi

sáb mar 16 , 2019
Após pouco mais de dois anos, o Clube Atlético Guaçuano volta a ter uma diretoria registrada. José Antônio Mallis, o Turco, é o novo presidente do Mandi, que constituiu seu novo quadro administrativo em Assembleia Geral Extraordinária realizada no dia 28 de dezembro de 2018. Após passar por diversos passos […]