Relatório que pode banir LHO está em nova fase

A representação enviada pelo advogado Ernani Donatti Gragnanello em 8 de janeiro de 2018 à Comissão de Ética do Futebol Brasileiro (CEFB), órgão autônomo e externo da CBF (Confederação Brasileira de Futebol), segue em evolução. A documentação levantada pelo advogado apresenta denúncias contra Luiz Henrique de Oliveira, presidente afastado do Mogi Mirim Esporte Clube e pede a apuração contra irregularidades cometidas pelo dirigente. Seguindo o Código de Ética de Futebol Brasileiro, uma decisão desta corte pode resultar até mesmo na destituição de Luiz Henrique da função de presidente do Sapão.

Após passar por uma análise de suficiência e natureza das informações relatadas, a representação foi encaminhada para a Câmara de Investigação da CEFB, que é presidida pela delegada federal Gladys Regina Vieira Miranda. O processo passará em breve pela Câmara de Julgamento e a espera é por uma decisão sobre o caso. A Comissão de Ética tem poderes para orientar, responder consultas, investigar e aplicar as devidas sanções às pessoas vinculadas ao Código de Ética e Conduta do Futebol Brasileiro, entre elas, os presidentes de clubes.

Este é um dos caminhos legais para a destituição de um dos piores dirigentes da história do futebol mundial. Em seis campeonatos disputados, Luiz Henrique de Oliveira rebaixou o Mogi Mirim em cinco deles, chegando ao ápice do clube ficar sem divisão nacional e fora de competições profissionais pela primeira vez em 42 anos. Outro caminho é uma ação na Justiça, que segue apenas no aguardo de uma publicação da decisão desde o dia 17 de janeiro. Vale destacar que, em novembro, o clube deve, estatutariamente promover eleições para a diretoria executiva e para os conselhos Deliberativo e Fiscal.