Um Maria Lenk de muito aprendizado para a Free Play

Mais um Troféu Brasil Maria Lenk no currículo. A Free Play/Sejel representou Mogi Mirim em uma das maiores competições na natação da América do Sul. A nata da modalidade se reuniu no Parque Aquático Maria Lenk, que faz parte do Complexo Esportivo Cidade dos Esportes, na Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro (RJ), entre os dias 16 e 21 de abril. A Free Play concluiu o torneio com três pontos e na 29ª colocação entre as 51 equipes inscritas nesta edição do Campeonato Brasileiro Absoluto de Natação.

Conrado Coradi Lino, Tomas Coradi Lino e Bárbara Cecato Barboza foram os atletas que integraram a delegação mogimiriana, coordenada pelo treinador Ricardo Antônio Martiniano. Para o técnico, foi uma participação de aprendizado, sobretudo, devido a alguns erros registrados durante o torneio. O primeiro ponto diagnosticado foi em relação ao formato escolhido para descanso. “Normalmente, ele descansa duas semanas e mais a da competição. Desta vez, optamos por descansar uma semana inteira e mais a da competição. E foi pouco, podia ter descansado mais. É um risco, sempre é um risco. Como poderia ter sido melhor, mas não deu”, frisou Martiniano.

O treinador destacou que Conrado treina sempre de forma muito intensa e que este é um motivo importante para que o prazo de descanso possa ser maior. Já dentro da programação escolhida, o atleta passou por exames em São Paulo, com o médico Gustavo Magglioca e o técnico observou algumas alterações nos marcadores do exame de sangue, que indicavam que o descanso deveria ter sido maior. “Mas, já estávamos no meio do caminho, não tinha o que fazer. Erramos em algumas coisas. A gente erra, é humano”, enfatizou.

Disputando o Maria Lenk desde 2012, Conrado foi o responsável por somar todos os pontos da equipe. No sábado, ele cravou 2min05seg57 e garantiu vaga na chamada ‘Final B’ dos 200 metros medley. Na decisão, ele ficou com o sétimo tempo, ao nadar em 2min05seg94, fechando assim, de forma geral, em 15º. Na quinta-feira, dia 18 de abril, ele já havia disputado a Final B nos 400 medley. Pela manhã, nas eliminatórias, ele cravou o 12º melhor tempo, com 4 minutos, 30 segundos e 54 centésimos. Com o tempo de 4 minutos, 38 segundos e 06 centésimos, ficou com a oitava posição na final e com a 16ª posição geral nos 400 medley.

Mesmo entre os melhores do país, esteve abaixo de tempos e posições registradas em outras edições da competição nacional. Conrado também nadou os 200 livres, no dia 16, ficando com o 28º lugar (1min52seg23). Já no dia 17, nos 100 metros borboleta, foi o 23º colocado, com 54seg85. “É preciso registrar que o Conrado é um guerreiro. A dedicação dele nos treinos é absurda. O esforço para melhorar e ganhar é absurdo. Infelizmente, desta vez, tivemos situações que nos deram aprendizado e, com certeza, ele vai muito forte para as outras competições da temporada”, frisou Martiniano.

Os outros dois atletas da Free Play também tiveram os desempenhos analisados pelo treinador. Em sua segunda presença no Troféu Maria Lenk, Tomas Coradi Lino nadou os 50 metros costas. A prova ocorreu no sábado, dia 20 de abril. Ele ficou com a 36ª posição, ao nadar o percurso em 28seg44. Na quarta, dia 17, Bárbara Cecato Barboza estreou em seu segundo Maria Lenk. Nos 200 metros nado peito, ela foi a 29ª colocada, com o tempo de 2min47seg80. Já na quinta-feira, dia 18, foi a vez de nadar os 1.500 metros livres, a prova mais longa da natação indoor. A atleta foi a 32ª colocada, com 18min57seg12.

“O Tomas nadou bem. Não conseguiu a melhor marca dele, mas, foi bem. A Bárbara não teve as melhores marcas também, estava meio de ressaca dos brasileiros do ano passado Ela era Junior 2, estando sempre ali, em terceiro, perto do terceiro e pulou para a Sênior, o Absoluto, e tudo muda. Com os 2 minutos e 43 segundos antes, nos 200 peito, ela pegava ‘Final A’ e era terceira e hoje, tem que ser 2 minutos e 36. É uma distancia grande de um para o outro. Ela talvez tenha ido já meio desmotivada, achando que não ia conseguir muita coisa. É isso, foi um Maria Lenk de mais aprendizados, de erros e acertos. Bola para frente, porque quem vive de passado é museu”. O trabalho da Free Play é desenvolvido com o patrocínio da Prefeitura Municipal de Mogi Mirim, Colégio Conectado, Gonçalves Avenida Society, Ótica Líder, Sucos Alvorada, Tradibom e VSwim e apoio do Laboratório 22 de Outubro e da Clínica Vitallis.