Mogi Mirim x Sumaré: recomeço é a palavra-chave

Compartilha!!!

Campeão da Série A2 do Campeonato Paulista em 1985 e em 1995. Semifinalista da Série A1 em 2013 e terceiro colocado no Paulistão de 1992. Vice-campeão da Série C do Brasileiro em 2001 e terceiro colocado da Série B do Brasileiro em 1995. Estes são apenas alguns feitos de um clube nascido em outubro de 1903 e que, a partir da reorganização, em 1932, passou a figurar como uma força ascendente do futebol.

Em 2019, após uma sucessão de problemas na área política, administrativa, financeira e desportiva, o Sapão busca um recomeço. O clube ficou fora de um torneio profissional pela primeira vez desde 1977. A ausência na Segunda Divisão do Campeonato Paulista foi lamentada por torcedores, que terão agora a oportunidade de acompanhar de perto o processo de reconstrução do Sapão.

Neste domingo, dia 16 de junho, a partir das 10h00, o Mogi Mirim enfrenta o Sumaré pela primeira rodada do Grupo 2 da São Paulo Cup. A competição independente, organizada por ume empresa chamada Global  Scuting Football está longe do porte histórico que o Sapo construiu. Porém, pela fase atual, é a consolação que pode servir de alento pela volta dos tempos de glória. O confronto será no estádio Vail Chaves, que foi liberado para a competição após a conquista de alvarás de áreas como segurança e engenharia.

Para a partida deste domingo, o Mogi levará a campo uma equipe desconhecida para a maioria dos torcedores. Os jogadores foram captados nos últimos meses. Mais de 60 nomes passaram por avaliação da comissão técnica, encabeçada por Maisena. Destaque para o zagueiro Vinicius, que é formado na base do Sapão e chegou a integrar o elenco que conquistou o acesso para a Série B do Brasileiro, em 2014.

Como a competição é sub23, a grande maioria dos quase 30 atletas está em busca de um lugar ao sol. O grupo tem cinco remanescentes do elenco que estava em formação para a Bezinha, em janeiro. A maioria deixou o Sapo rumo ao Tupã, clube que está na briga pela classificação para a segunda fase da Segunda Divisão do Paulista. “Não teve nem como segurar. Eles precisavam ficar empregados e o Tupã levou 18 atletas. Como eu fui treinador lá e eles já sabiam que eu estava aqui e que não ia disputar, um jogador entrou em contato com a gente e automaticamente o pessoal, para não ficar desempregado, foi para lá. Montei o time inteirinho, mas, por problemas burocráticos não deu”, afirmou ao GRANDE JOGADA o treinador do Sapão.

Maisena comanda o Mogi desde o final de 2018 e falou sobre a expectativa pela estreia na São Paulo Cup | Foto: Divulgação

Ainda sobre a Bezinha, o técnico afirmou que, até por sua experiência profissional, não criou nenhum sentimento, por exemplo, de frustração, pela não participação na Bezinha. “O Mogi é grande para entrar em uma competição com dificuldades, sem ter receita. Entrar por entrar não seria legal. Olha, hoje posso dizer que estou mais feliz por estar na São Paulo Cup do que no Paulista. Entrar sem condição financeira adequada, para passar vergonha, seria complicado. Hoje vamos encarar a São Paulo Cup para não ficar sem calendário e entrar forte em 2020”, pontuou.

Segundo ele, o trabalho no momento carece de humildade e seriedade. Maisena ressaltou a história do clube várias vezes durante a entrevista. Assim como a dificuldade do momento atual. Fez elogios aos atuais gestores, das empresas J Winners e AD Sports e classificou a preparação para a São Paulo Cup como “excelente”. Entre treinos no estádio Vail Chaves e amistosos pela região, o último teste aconteceu na sexta-feira, dia 7 de junho, quando a equipe enfrentou a Internacional, em Limeira.

“Fizemos um grande jogo contra a Inter. Um time hoje de primeira divisão e saímos ganhando de 1 a 0 com 47 segundos. Depois, o juiz prejudicou um pouco e perdemos por 2 a 1, de virada. O bom é que estamos preparando o time psicologicamente e taticamente para a São Paulo Cup, estamos bem e prontos para a estreia. Esperamos que o time corresponda ao que estamos trabalhando durante a semana”.

O treinador frisou que a montagem do elenco visou a busca por atletas dentro da realidade financeira e de exposição da competição, mas, respeitando a história do clube. “Todos estão em condições de vestir a camisa do Mogi”, exclamou. O elenco tem cerca de 30 inscritos e o limite é de 45 atletas por clube. A ideia é avaliar a equipe durante a primeira fase e checar oportunidades de negócio para eventuais necessidades pontuais. “Mas não vamos buscar qualquer um. Jogador para jogar no Mogi Mirim tem que ter postura e qualidade. Caso contrário, eu não quero”, afirmou.

Atacante durante a carreira profissional, Maisena iniciou a trajetória como técnico na segunda divisão do futebol paraguaio. No Brasil já trabalhou em clubes como Tupã e Talentos 10. O treinador confessa ser muito ofensivo. “Eu não tenho medo de jogar. A ideia é manter a mesma postura em casa e fora. Joguei contra a Inter e fui ofensivo, mesmo sendo um time que acabou de subir para a Série A1 e que estava completa. Claro que cada situação é uma situação, mas eu gosto de um futebol ofensivo e não abro mão disso”, explicou o técnico. Maisena pontuou que hoje um treinador que admira é Jorge Sampaoli, do Santos. O argentino chama a atenção exatamente por ser caracterizado pelo apreço ao futebol ofensivo. “Gosto do que ele está implantando no Santos. O trabalho é muito bom e a torcida gosta de ver este tipo de futebol. Se vier com resultado? Melhor ainda”.

Sobre a competição, destacou que, como é comum em inícios de campeonatos, não possui muitas informações sobre o Sumaré, rival da estreia. Porém, mantém o mesmo discurso do início da carreira. “Eu sempre pensei desta forma, desde o começo, lá no Paraguai. Eles que têm que se preocupar comigo, não eu com eles”, frisou. O técnico ressaltou a tradição de camisas que estarão na São Paulo Cup, como Garça, Lençoense e Grêmio Barueri e mandou um recado a quem rebaixa o nível do torneio.

“Não é amador não. Algumas pessoas de má palavra dizem isso, mas não é amador. Para nós vale e muito. É o recomeço de uma história”. Na reta final da preparação, o técnico realizou trabalhos técnicos e táticos entre terça e quarta-feira. Na quinta, 13, fez um treinamento em campo reduzido pela manhã. Também na manhã de ontem, com início intencionalmente marcado para as 10h00, visando o horário do jogo de domingo, fez o coletivo que aprontou o time que iniciará o duelo com o Sumaré. Neste sábado, o último treino antes da estreia terá como foco a aprimorar algumas jogadas ensaiadas em bola parada.

SÃO PAULO CUP

A competição não tem vínculo com nenhuma entidade e é independente. O Sapo está no Grupo 2, ao lado de Jaboticabal, Flamengo de Pirajuí, Sumaré, Lençoense e Garça. No Grupo 1 estão Grêmio Barueri, Andreense, Arujaense, Independente de Mogi Guaçu, Cubatense e União Suzano. O Independente de Mogi Guaçu entrou na vaga do Jacareí, que não conseguiu a liberação do estádio Stravos Papadopoulos e mandará as suas partidas em Iracemápolis.

Tabela completa da 1ª fase da São Paulo Cup

O torneio terá a primeira fase com os times jogando dentro dos seus respectivos grupos, em turno e returno. Os quatro primeiros colocados de cada chave se classificam para as quartas de final. A partir de então, será mata-mata, com jogos ida e volta até definir o campeão. O campeonato contará com jogadores sub23, nascidos a partir de 1996, tendo no mínimo 16 anos. Porém, cada equipe poderá inscrever cinco futebolistas sem limite de idade entre a lista de 45 atletas, sendo que em cada partida só podem ser relacionados três. Os clubes classificados para a segunda fase da Competição, poderão substituir até quatro atletas da relação inicial.

A ÚLTIMA VEZ

O Mogi Mirim não entra em campo desde o dia 27 de maio de 2018. Pela sexta e última rodada da primeira fase da Série D do Campeonato Brasileiro, o Sapão se despediu do torneio de forma digna. O Alvirrubro venceu o Prudentópolis por 2 a 1, em partida realizada no estádio Major José Levy Sobrinho (Limeirão), em Limeira (SP), já que o Vail Chaves seguia sem os laudos para utilização.

Em Limeira, pela Série D do Brasileiro, o Sapão venceu o Prudentópolis em sua última partida oficial

Comandado por Carlos Júnior, o Sapo foi a campo com Hotton; Felipe Benassi, Marcelo Felber, Fabrício e Stefano; Ruan, Pedro, Eder Baiano e Lucas; Americano e Osmar. No banco de reservas, apenas quatro opções. O goleiro Murilo, além de André, Alisson e Diego Justino. O Prudentópolis, ainda sonhando com a vaga na segunda fase, abriu o placar aos 27 minutos da etapa inicial, com Nei. Americano empatou aos 36 também do primeiro tempo e Lucas, aos 18 da etapa final, garantiu a vitória ao Mogi Mirim.

TABELA DO MOGI MIRIM NA 1ª FASE DA SÃO PAULO CUP

1º TURNO
Dia 16/06 10h00 – Mogi Mirim x Sumaré – Estádio Vail Chaves
Dia 22/06 10h00 – Jaboticabal x Mogi Mirim – Estádio Municipal Antonio José da Fonseca
Dia 30/06 10h00 – Mogi Mirim x Flamengo de Pirajuí – Estádio Vail Chaves
Dia 07/07 10h00 – Lençoense x Mogi Mirim – Estádio Farid Jorge Reseg
Dia 13/07 10h00 – Mogi Mirim x Garça – Estádio Vail Chaves

2º TURNO
Dia 20/07 – 10h00 – Sumaré x Mogi Mirim – Estádio José Pereira
Dia 27/07 10h00 – Mogi Mirim x Jaboticabal – Estádio Vail Chaves
Dia 03/08 10h00 – Flamengo de Pirajuí x Mogi Mirim – Estádio Municipal João Xisto de Brito
Dia 10/08 10h00 – Mogi Mirim x Lençoense – Estádio Vail Chaves
Dia 17/08 10h00 – Garça x Mogi Mirim – Estádio Municipal Frederico Platzeck

CRÉDITO DA FOTO DE ABERTURA: FÁBIO SOARES/FUTEBOLDECAMPO.NET

Post Author: Lucas Valério

Avatar